Saúde desburocratiza transplante 

Saúde desburocratiza transplante

08/10/2007

Secretaria Estadual integra todos os procedimentos dos órgãos na web, reduz papéis e agiliza processo de pedido.

Luiz Galano

O setor de transplantes da Secretaria de Estado da Saúde dá um passo rumo ao futuro, praticamente decretando a extinção dos papéis e o fim da burocracia. Agora, todas as unidades da rede que integram esse sistema podem efetuar cadastramento de pacientes, solicitações, encaminhamentos e acompanhamento através de uma home page exclusiva aos funcionários da área. Com isso, 80% dos procedimentos que só eram feitos mediante processos documentais físicos, deixam de existir. Quem ganha é a população, que contará com mais agilidade nos trâmites, ao passo que poderá consultar dados pela Internet. Porém, não é garantia de agilidade no transplante, uma vez que os procedimentos dependem de doações de órgãos.

As informações são da Secretaria de Estado da Saúde. O sistema, desenvolvido pelo Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), ganhou o nome Webtransplante e é considerada uma ferramenta pioneira no Brasil. O funcionamento não é complicado. Trata-se de um site, sob a supervisão da Central de Transplantes do Estado, no qual cerca de 400 profissionais que atuam na área de transplantes de órgãos em São Paulo (como equipes transplantadoras, laboratórios de histocompatibilidade e centros de diálise) acessam, mediante login e senha.

Na página eletrônica, eles podem fazer inscrição de novos pacientes, atualizarem exames, confirmar transplantes realizados e acompanhar a evolução do paciente transplantado após três meses, seis meses e um ano da cirurgia. Segundo o coordenador da Central de Transplantes do Estado, Luiz Augusto Pereira, antes da implementação do sistema, os profissionais de Bauru precisavam preencher ofícios, enviá-los por correio para uma central de Ribeirão Preto, que ficava responsável por cadastrar os dados enviados e finalizar o processo.

“Nós ganhamos em transparência e credibilidade, já os pacientes ganham em agilidade e informação, podendo acessar sua ficha on-line e obter todas as informações sobre seu cadastro e processos acessando a Internet”, afirma. O meio ambiente agradece a idéia.

De acordo com Pereira, o sistema, que foi totalmente interligado em fevereiro deste ano e agora é disponibilizado para a população, decretou o fim de 90 mil documentos encaminhados anualmente e também poupa esforços de funcionários. “Cerca de um milhão de dados deixarão de ser digitados nesse período”, atesta.

A Secretaria de Saúde afirma registrar cerca de 300 acessos diários para procedimentos administrativos. Além de login e senha, cada funcionário possui cartão de segurança, ferramentas que servem de proteção para que ninguém acesse os dados indevidamente e possa alterar o banco de dados, como colocar nas primeiras posições pacientes à espera de transplante.

Para os pacientes que aguardam por um transplante no Estado, basta entrar no site da Secretaria de Saúde (www.saude.sp.gov.br), acessar o link lista de espera para transplante (do lado superior esquerdo), clicar no tipo de órgão necessitado e fornecer o número do Registro Geral da Central de Transplantes (RGCT), que pode ser obtido com a equipe médica responsável pelo seu processo.

Mais doadores em vista

Para a coordenadora da Organização de Procura de Órgãos (OPO) da Central Regional de Captação de Botucatu, Amélia Trindade, o novo sistema pode, num futuro próximo, impactar positivamente no número de doadores. “Com todos os dados disponibilizados na Internet para consulta, o resultado e a credibilidade de todo o sistema de captação e transplante de órgãos melhoram. Tendo a certeza de que os procedimentos são transparentes, a população se sente mais segura em fazer a doação”, avalia.

De acordo com Márcia Vilma Silva, assistente social coordenadora da unidade de captação de órgãos do Hospital Estadual (HE) de Bauru, além da questão da credibilidade, a ferramenta também facilitou a vida dos funcionários. “Isso veio organizar o sistema de acompanhamento por parte dos pacientes e, acima de tudo, trouxe mais clareza em todas as fases dos processos, derrubando mitos de que existiam privilégios na fila de espera”, avalia.


 

 

 





 
© 2007 Transplante Pulmonar Online Inc. All rights reserved. layout by Rodrigo Tebaldi